quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

CARTÃO DE ANO-NOVO



Minha avó dizia: para ser feliz, a gente não precisa sair do lugar, a gente tem que ser o lugar. {Fabricio Carpinejar}

Este cartão que sequestrei da Internet,é uma resposta que encontrei pra enorme angústia que cheguei a sentir nos últimos tempos.

Final de ano parece que a gente tem necessidade de provar pra si mesmo o quanto as coisas deram certo,o quanto produziu a mais do que no ano passado,e principalmente,o quanto foi feliz.É aquela puta ansiedade de ter que mostrar que pode fazer mil coisas o tempo todo,viajar pra mil lugares exóticos,ter a vida maravilhosa e divertida que muita gente do Facebook mostra o tempo todo.

Caiu a ficha.Não sou famosa,minha vida é de muito trabalho,muito pouco reconhecimento,e de,também muitas frustrações.Meus amigos também não são chiques e famosos,não brilham nas colunas sociais,e não nos divertimos o tempo todo nas festas que a Revista Caras mostra toda a semana.

Resumindo:uma vida sem glamour nenhum,mas com uma modesta satisfação de poder ser responsável pelas minhas escolhas e conseguir saborear minhas pequenas conquistas diárias.

sábado, 24 de dezembro de 2011

Vamos comer um Panetone juntos ?



Tenho uma amiga que é uma mistura de filósofa com terapeuta (embora ela poucas vezes admita isso).

Outro dia estávamos conversando sobre nossos natais e a programação de família.
Ela comentou que este ano não passaria com o namorado,pois este visitaria os filhos em outra cidade.

Falando sobre as compras de Natal,ela comentou que o namorado trouxera um presente,mas que ela havia recusado gentilmente.

-Como assim?-perguntei,achando tudo muito estranho.

-Muito estranho seria isso:"Ele me daria um presente,antes do Natal,e depois eu daria o presente dele".Muito sem-graça.O bom do Natal não é só uma "troca-seca" de presentes.Já combinei com ele que quando ele voltar,vou ter comprado o presente dele também,vamos sentar,comer um Panetone juntos,conversar muito e principalmente celebrar.Caso contrário o significado do Natal fica vazio.Vira só comércio.

Achei brilhante a reflexão.A partir deste ano,antes de pensar somente em trocar presentes,vou chamar cada pessoa que é preciosa pra mim, para comer um pedaço de panetone comigo,e trazer mais significado pro meu Natal.

Feliz Natal!

sábado, 3 de dezembro de 2011

DIZER ADEUS A CADA DIA....



Recentemente li um livro que está me fazendo pensar muito na vida.É a história verdadeira do neuropsiquiatra David Schreiber,autor do também famoso livro: ANTICÂNCER.O livro,"PODEMOS DIZER ADEUS MAIS DE UMA VEZ" é a despedida do médico que foi um grande pesquisador de como melhorar a qualidade de vida de todos que tem ou já tiveram câncer na vida.

Eis um trecho:

"Outro pensamento que sempre foi de imensa ajuda,desde que o câncer entrou em minha vida, continua fortalecendo minha alma.É quando me lembro da evidência de que,afinal,não sou o único que deverá morrer.Não é como se eu tivesse sido injustamente punido,jogado numa masmorra,a água e pão seco.Não,todos deverão passar por isso um dia"


Talvez esta última seja a frase principal.Todos vamos morrer um dia.
Fico pensando: Dr David morreu com 50 anos.Daqui a 4 anos,se tiver sorte,deverei fazer 50.Se eu morrer aos 50 anos (espero sinceramente que isso não aconteça),tenho a sensação de que até o momento eu me diverti muito pouco na vida.

Trabalhar é bom,pensar no futuro também é bom....Mas acho que existe um momento em que a gente olha pra cima e se pergunta quando é que vai começar a me divertir... Eu fui o "tipo do cara" que sempre pensou no dia de amanhã e o meu hoje foi passando,muitas vezes sem a minha presença...

Ler o livro de Schreiber é ter a coragem de entrar em contato com nosso maior medo,e ao mesmo tempo,poder encontrar nessa verdade a libertação para uma vida de maior qualidade.