quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

FILHOTES DE DINHEIRO



Meu pai sempre vinha com aquela história de sempre:

- Filha, dinheiro tem que ser fêmea.

- Como assim ?

- Dinheiro tem que "fazer mais dinheiro"....

Na época eu custava entender este raciocínio. Quando meu irmão trouxe o livro
PAI RICO, PAI POBRE, me mostrou a diferença entre comprar ATIVOS e PASSIVOS.Isso para o autor significava investir em algo que pudesse dar "filhotes de dinheiro".Como comprar imóveis e aluga-los depois.

Papai ficou todo empolgado :

- Era isso que eu sempre dizia pra vocês, o mesmo que o cara está dizendo aqui. Dinheiro tem que ser fêmea. Eu "cantei a pedra".

"Cantando ou não a pedra" ,ele me ensinou a ser bem econômica, até mesmo para multiplicar o que eu ganhava, e melhorar o padrão de vida.Claro , as vezes ficava meio neurótica , me autoperguntando :

- Um Brinco é um ATIVO ou PASSIVO ? E pulseira ? E livro ? Ah, sim , livro é ATIVO, que te ajuda a ter mais SABEDORIA, que acaba te ajudando a FAZER MAIS DINHEIRO....

Anos depois é que eu percebo como é importante investir em ATIVOS. São eles é vão trazer os "FILHOTES DE DINHEIRO" que me ajudarão a trabalhar menos, e fazer mais o que eu gosto.

9 comentários:

Susyanne Alves disse...

Livro com certeza é ativo.
Nossos pais tem mesmo essa sabedoria econômica.
Meu pai é igualzinho.

bj

Vanessa Romanelli disse...

Excelente ponto de vista!!!

Ozenilda Amorim disse...

Oi Mônica,
Quanta sabedoria a do seu pai. É tão difícil as pessoas ensinarem isso, pois falta ao brasileiro educação financeira, coisa que poderia salvar muita gente do atoleira.
Já ouviu dizer que rico é aquele que sabe usar o seu dinheiro? E que não interessa o que você ganha, mas como você gasta? Pois é, observar princípios simples pode ser a diferença entre prosperar ou falir, mesmo que seja nas finaças pessoais.
Gostei do post de hoje.
:)

Mariah disse...

meu pai me ensinou a gostar de música, tomar cerveja e a gostar de filmes dos anos 50...mas com dinheiro, ambos temos uma relação complicada!

Uerlle Costa disse...

Livro com certeza é ativo.
Em qualquer momento.

Lembrei intensamente do meu pai lendo esse post.
hehe

Beijos

Valéria Martins disse...

Boa maneira de pensar, querida Mônica!

Eu faço um pouco diferente. Me perguntou: "tenho verdadeira necessidade de comprar isso"? Assim, me tornei muitíssimo econômica. Mas de uns tempos para cá, tenho me permitido alguns excessos ao dizer para mim: "Eu mereço isso". E assim vamos.

Beijos! Boa semana!

Ana Filipa Oliveira disse...

Que ensinamento simples, mas tão sábio! Parabéns pela aprendizagem. Eu acho que tenho andado a investir em Activos que são inférteis. Os meus investimentos, pelos vistos, têm sido em fêmeas que não podem ter filhos. Tenho (e li) uma montanha de livros, fiz uma enormidade de cursos e afins, tenho muitas ideias, mas falta-me o lado macho, o lado da acção. Como em tudo, é preciso o lado fêmea e o lado macho. ;-)

Carolina disse...

Puxa Mônica, não conhecia este ditado sobre o dinheiro. Vivendo e aprendendo... vou aplicar daqui pra frente. Muito bom!

bjão e boa semana!

salgados disse...

Deixei um Oi! para você, lá no meu blogue, viu?!