sábado, 28 de agosto de 2010

SER TIA É MAIS DIVERTIDO !



Quando vejo minha cunhada Renata envolvida com meu sobrinho Henrique, penso na mãe que não fui e que gostaria de ter sido para o meu filho, quando ele ainda era um recém nascido.Renata é a mãe que todo bebê deveria ter : amorosa, organizada, metódica, disciplinada. Eu já era o contrário :uma mãe que não sabia o que fazer com seu bebê, e chorava dia e noite.

Claro que existe a história de uma depressão pós-parto não contada nisso tudo.Além disso, era fato que eu não tinha a mínima estrutura psicológica para ter sido mãe naquela época, mesmo já sendo trintona. Apesar de ter também sido um pouco "mãe" dos meus irmãos quando pequenos, eu não tinha a mínima noção de como um bebê dava trabalho, e de que eu teria que parar um pouco minha vida frenética de produtora de vídeo para cuidar dele.

Apesar de não ter a mínima vocação pra uma "mãe arrependida de uma novela mexicana", qualquer contato com bebês novinhos ainda mexe muito comigo.

Esta noite , por exemplo,depois que voltei há quase uma semana da viagem a São Paulo onde conhecí e pude curtir meu sobrinho Henrique, agora com quase dois meses , ainda estou tendo "sonhos de resolução de sentimentos mal-resolvidos". Sonhei que Renata e Luis tinham deixado Henrique sozinho comigo aqui em Vitória. Eu estava louca pra "devolver" Henrique para os pais, e não sabia o que fazer com ele cada vez que ele chorava. Numa das cenas do meu sonho maluco, eu havia deixado o bebê com as fraldas todas sujas de cocô há horas, e só depois é que eu percebera.

Confesso que foi um alívio acordar e ver que tudo tinha sido um pesadelo classe B.
Uma tia enlouquecida querendo "devolver" o sobrinho para os pais o tempo todo.

Resumo da ópera : apesar de achar o meu sobrinho o mais lindo bochechudo de todos os sobrinhos, prefiro ele na companhia dos pais, para que eu possa "devolver" a qualquer momento quando começar a chorar e ficar vermelho.

Graças a DEUS hoje meu filho Matheus tem 15 anos e eu brinco com ele : "Filho, você é um herói, você conseguiu
sobreviver a mim !"


Ele rí das histórias que eu conto, e hoje eu já consigo rir delas também , mesmo que eu ainda sonhe com bebês sujos de cocô chorando e outras cenas assim.

3 comentários:

Liège disse...

Monica, que angústia! Ainda bem que foi um sonho.
Percebo que muitas mulheres sofrem de depressão pós-parto ou com algumas dificuldades da maternidade, como a amamentação. Penso se isso não teria a ver com a ideia que nos passam de que nascemos com o instinto materno e chegado o momento saberemos cuidar perfeitamente de nossos filhos, ou que o parto normal é a opção mais "humana" e amamentar é um ato de amor, etc. Tudo isso pode ser muito bom, mas quando a mulher se sente perdida com o filho, ou não tem estrutura física para um parto normal ou não consegue amamentar, acaba se sentindo incapaz. E eu, sinceramente, não considero isso justo.
Se seu filho "sobreviveu" a você, com certeza você fez muitas coisas boas e talvez tenha lhe ensinado coisas únicas.
Beijos.

Mônica disse...

MInha xarasinha
Eu nunca tive vontade de ser mãe.
Mas tive um monte de crianças que precisaram de meus cuidados, mas se fossem meus estariam estragados. DOu muito amor e pouco limite.
Mas voce não. A mãe já tem um instinto.
E isto faz muita diferença.
com carinho MOnica

Carmem Tristão disse...

ê delícia! Eu não tive filhos ainda e sonho com o dia que minha irmã vai largar a pequena Leticia comigo pra poder viajar... embora seja muito pouco provável que aconteça, sonhar não custa nada né rsrsrsrs