segunda-feira, 26 de setembro de 2011

CONVIVENDO COM A DOR ( e também com o ciúme, a inveja e outros sentimentos ruins...)



Vi no Fantástico há uma semana uma entrevista da CISSA GUIMARÃES em que ela fala que ela “convive” com a dor da perda. Ela “respeita” a dor que ela sente e disse que vai morrer com ela.

E é este “espaço” que ela abre para a dor é que faz ela conseguir ainda sentir a alegria e os outros sentimentos bons.Talvez se ela a negasse,buscando a tal da "pílula da felicidade",ou qualquer outro "paraíso artificial" mais tarde uma grande "cratera" somatizada fosse abrir dentro dela,exigindo atenção.

Penso que os sentimentos são assim: temos que aprender a conviver com eles mesmo quando eles não são os nossos melhores amigos.

Talvez seja mesmo igual uma vez eu vi num livro em que um monge imaginava os seus sentimentos como uma sala de espera num consultório médico... Vinha um, ele “atendia”,depois mandava embora com calma, e dizia :

- Que venha o próximo.

Assim fica mais fácil aceitarmos o “lado sombra” do nosso ser,que nem sempre é bonzinho.



Pra quem não assistiu a emocionante entrevista,clique AQUI.

6 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Eu vi a entrevista e adorei! Sou super a favor do espaço pra dor, do se permitir sofrer, estar triste. Hoje em dia existe uma indústria da felicidade que praticamente proíbe que a gente tenha nossos momentos de tristeza. E eu me nego a deixar que façam isso comigo. Se estou triste choro, no momento seguinte enxugo as lágrimas e posso até sorrir. Viver é sentir de tudo um pouco.

Beijocas

Raíssa Teles disse...

Muito boa essa reflexão. É difícil mas é o tipo de coisa que se deve aderir. Concordo com ela, quando a gente consegue conviver com as dores, tudo se torna mais facil. Tenha um otimo dia. Estou seguindo.

Mônica disse...

eu não vi a entrevista, mas sei o tanto que Cissa é forte e fragil ao mesmo tempo por causa das novelas que atua e que nos encanta.
com carinho Monica

Inaie disse...

Ela tambem e uma guerreira, um exemplode vida.
Tenho medo ate de pensar nesse tipo de dor. MAe nenhuma deveria ter que enterrar um filho.

Celina Dutra disse...

Monica querida,

Ninguém ignora sentimento, como você disse, se não sentimos conscientementee deixamos fluir com naturalidade, eles entram de alguma forma na gente, seja com somatização, comportamentos de transferências não saudáveis, etc.
O que sempre digo é que felicidade é diferente de alegria e nenhuma tristeza empana o estado de felicidade. Com certeza, pela forma como encara a vida, a Cissa é feliz, mesmo convivendo com a tristeza da perda do filho.
Girassóis nos seus dias. Beijos.

K∂riиє* Smith. disse...

Oi, vim retribuir a visita e me deparei com esse post bom.
Achei ótima a metafora do consultório, acho que é bem isso que acontece e sábio de quem tem essa tranquilidade e calma de acreditar e saber que tudo passa...tudo entra e sai...

beijos