sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

ROTINA REINVENTADA

“Se estamos caminhando em cenas que não sonhamos, quem terá sido o seu autor ?” Esse pequeno trecho é de um grande livro da poeta Elisa Lucinda: “PAREM DE FALAR MAL DA ROTINA". Considero a literatura como uma das grandes auxiliares terapêuticas , pois ajuda a gente a se enxergar melhor através dos olhos sensíveis de um escritor. Elisa desmitifica a rotina, que é considerada a vilã da vida de muitas pessoas.”Parece até que rotina é uma espécie de diaba,de fantasma ou espírito ruim,que vai aparecer na sua casa e ameaçar ou rogar uma praga: Aaahh! Eu vou acabar com o seu casamento agora! Eu não dou um mês para esse casamento acabaaaaar!” Uma certa rotina pode ser até importante na vida de uma pessoa,como diria outro poeta,Fábio de Mello. Segundo ele,existe uma grande diferença entre ROTINA E MESMICE.E é a MESMICE que devemos evitar. “ E mais- volta Lucinda no livro - nós podemos escolher.Se escolher é minha possibilidade, então quem faz a minha rotina ? Quem a escreve? Eu.É esta a resposta e não há como transferi-la para outro. Não fica bem para ninguém falar mal da rotina,porque você é sujeito,autor, roteirista,diretor,produtor,patrocinador e protagonista da sua rotina. Pega até mal falar mal: “Minha rotina é uma merda”.Leia-se que você é uma merda também .Pois é o autor.O cara. “Culpar a nossa rotina como se fosse um monstro é prova de nossa ignorância.Cada rotina traz um script dentro, uma dramaturgia interna,um roteiro específico” Ultimamente estou aprendendo a reescrever meu script de vida.Minha rotina mudou.Estou fazendo meditação e aulas de Inglês pela Internet.Vou começar a produzir um PROGRAMA DE FINANÇAS PESSOAIS. Estou indo ao encontro do que me interesa de verdade.Dá trabalho,mas compensa.Minha rotina mudou e eu estou aprendendo muito.É enriquecedor sempre me perguntar em alguma situação “precisa ser assim?” “vamos tentar de outro jeito?” Quer conseguir alguma coisa valiosa na vida? Redobre sua taxa de erros.Quem não erra é porque nunca tentou nada que valesse a pena.

Nenhum comentário: